Mãe se nega a abortar bebê com má formação e a gestação salvou sua vida

Simone e família. (Foto: Arquivo Pessoal / Sempre Família)

Quando Simone Marquesine e seu esposo descobriram a segunda gestação, a família ficou feliz e ansiosa para a chegada do bebê, principalmente a pequena Isabela, 3 anos, que foi promovida a irmã mais velha.

Mas durante o exame da 12ª semana de gestação, o médico informou aos pais que o bebê tinha uma má formação, que a calota craniana não havia se fechado e que o diagnóstico era de encegalocele occipital, entre outras questões.

“Parecia que havia perdido o chão. Uma tristeza profunda tomou conta do meu coração e tudo parecia uma mentira”, contou Simone ao site Sempre Família.

Ao descobrirem que era um menino, eles decidiram pelo nome Lucas, que significa luz, e assim começou a luta do casal diante dos diagnósticos que chegaram em seguida: além da má formação cerebral, uma agenesia renal, espinha bífida e microcefalia.

Apesar de todas as opiniões, o casal resolveu não abortar e combinaram com o médico em seguir com a gestação até a 38ª semana, quando o bebê já estivesse com o pulmão pronto para o nascimento.

Familiares e amigos oraram pela situação e fortaleceram Simone e seu esposo durante todo o tempo.

“Foram nove meses em que pude amar e lutar pelo ‘Luquinhas’. Eu ficava angustiada às vezes, ouvindo que ele seria incompatível com a vida, mas pedia a Deus que fizesse o melhor para ele”, conta Simone. “Claro ouvi de algumas pessoas que era melhor abortar, mas ignorei. Jamais faria isso”.

A decisão de não tirar o bebê acabou salvando a vida a própria Simone que, entre a 35ª e 36ª semana de gestação, descobriu que estava com trombose após sentir muitas dores e inchaço na perna.

Ela precisou ser internada para tomar anticoagulante e durante os exames, o médico percebeu coágulos próximos à virilha, sendo que um deles tinha uma extensão grande e estava em uma artéria próxima ao coração, mas não era possível saber o tamanho exato por conta do bebê.

“Ele me disse com essas palavras: ‘Seu bebê é quem te salvou, pois a gravidez fez pressão e impediu que o coágulo se deslocasse. No estágio em que você está poderia ser fatal a qualquer momento’”.

O médico vascular não sabia que o bebê tinha diagnóstico de má formação e que ela muitas pessoas aconselharam a interromper a gestação. Se ela tivesse ouvido esses conselhos, não teria sobrevivido à enfermidade.

Lucas nasceu em 12 de maio com 1,8 kg e viveu por 26 minutos. O parto foi complicado, pois Simone teve muita hemorragia e precisou ficar no CTI por quatro dias. Foram 30 dias de internação até que ela se recuperasse do parto e da trombose e hoje, sete anos depois, ela não se arrepende da decisão de ter levado a gravidez até o final.

 

 Gospel prime

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s